Especiais do Indy Center

Em um dia de testes que foi atrapalhado pela chuva no final, o dinamarquês Christian Rasmussen foi o mais rápido. Dudu Barrichello liderou uma das sessões na USF2000.

Christian Rasmussen e Jay Howard

Nessa quinta-feira (9 de julho) a USF2000 foi para um longo dia de testes, com quatro sessões de 45 minutos. As três primeiras sessões funcionaram mais como uma segunda parte da pré-temporada da categoria, e a quarta sessão sendo realmente um treino livre oficial do fim de semana.

Neles, pudemos ver os principais favoritos em ação, em um grid mais consolidado depois da pré-temporada com vários altos e baixos. Os treinos foram bastante movimentados e vários carros diferentes apareceram com os melhores tempos em cada sessão mas, mesmo assim, conseguimos apontar melhor os favoritos pelo menos nesse fim de semana.

logo pela manhã quem começou melhor foram os pilotos da Cape Motorsports. A equipe que ganhou os últimos nove títulos da USF2000 mostrou toda sua força, com os veteranos Reece Gold e Michael d'Orlando com os dois melhores tempos na primeira sessão, além de ter o melhor novato dessa sessão, Josh Green na sexta posição.

A Cape Motorsports é sem sombra de dúvidas sempre favorita ao título, no entanto, os quatro pilotos contratados para a temporada de 2020 não inspiram tanto favoritismo assim pois Gold, d'Orlando e Kyle Dupell são três pilotos que já correram nas outras temporadas da USF2000 e nenhum deles chamou muita atenção. Gold correu na temporada passada e terminou na décima posição e teve o melhor resultado quatro oitavos lugares, isso já pilotando pela própria Cape Motorsports (seus companheiros de equipe terminaram o campeonato em primeiro e quinto no campeonato, com cada um conseguindo vitórias e pódios. D'Orlando correu na categoria em 2018 pela Team Benik (atual BN Racing), correu oito provas, apenas nos mistos, e não chamou a atenção, conseguindo como melhor resultado dois oitavos lugares em Mid-Ohio; acabou migrando para a FIA F-4 USA, onde conseguiu melhores resultados e até um pódio, mas nada que saltasse tanto assim aos olhos. Dupell correu todas as provas da USF2000 no ano retrasado, terminando o campeonato no 15º lugar (de dezoito carros fazendo temporada completa) e no ano passado correu as quatro últimas provas do ano pela Newman Wachs Racing, sem conseguir um Top 10 sequer. E, em meio aos pilotos experientes da Cape Motorsports, temos o novato Josh Green, que foi vice-campeão da F-Ford 1600 e acabou migrando para a USF2000 no ano passado, disputando a penúltima rodada dupla do ano pela Jay Howard e conquistando um Top 10 de cara. Ele não tem muita carreira e seus resultados não saltam tanto aos olhos, bem como seus companheiros de equipe.

Assim sendo, a Cape é sempre favorita, mas ninguém sabe ao certo quais dos quatro pilotos (isso se houver algum) que vai brilhara e buscar o título esse ano na categoria.No fim, a equipe dos irmãos Cape pode acabar se tornando o cavalo paraguaio da categoria, pela primeira vez nessa década. Pudemos ver isso durante os treinos, já que logo na segunda sessão, realizada uma hora depois da primeira, o melhor piloto da equipe era Reece Gold mas apenas com o sétimo melhor tempo.

A segunda sessão foi liderada pela equipe que vem logo
Pabst Racing no treino de hoje.
atrás da Cape nos últimos anos, brigando pelo título mas sempre ficando em segundo, a Pabst Racing. Quem liderou a sessão foi o brasileiro Dudu Barrichello, com Matt Round-Garrido em terceiro e o indiano Yuven Sundaramoorthy em quarto.

A equipe dos carros preto e branco vem com um plantel de pilotos um bocado mais forte do que a Cape. O trio de pilotos segue para sua segunda temporada na categoria, e eles já mostraram algum resultado durante a temporada passada. O brasileiro Dudu Barrichello teve ano de estreia complicado na categoria, onde entrou na estreante Miller Vinatieri Motorsports, e acabou se mostrando uma das piores equipes do grid; disputou onze corridas pela equipe, e teve como melhor resultado um quinto lugar em Indy Misto, o melhor resultado da equipe na história da USF2000, e acabou se mudando para a DEForce Racing, uma equipe já de meio de grid na categoria, e terminou todas as quatro provas que disputou na equipe dos irmãos Martinez entre os dez primeiros, conseguindo outro quinto lugar na última corrida do ano. Agora correndo na Pabst Racing e tendo oponentes não tão favoritos assim na Cape, Dudu se torna um dos favoritos a briga pelo título.

Yuven Sundaramoorthy já está em seu segundo ano na Pabst, sendo que no campeonato passado terminou o campeonato na 11ª posição, com um sexto lugar de melhor posição; e Matt Round-Garrido fez apenas cinco das sete etapas do ano passado, pela Jay Howard, mas conseguiu até mesmo um pódio. São três pilotos com resultados mais razoáveis e carreiras um pouco mais promissoras, que podem se destacar correndo na segunda melhor equipe no grid.

Mas mesmo eles devem tomar cuidado, pois as equipes de meio de grid vem com pilotos muito promissores para diminuir essa diferença estrutural que há entre eles, a Cape Motorsports e a Pabst Racing.

Isso pudemos ver bem na terceira e última sessão de treinos, onde Christian Rasmussen (Jay Howard Driver Development) liderou com folga. Rasmussen é o piloto com o melhor currículo do grid, sendo o terceiro colocado da FIA F-4 USA de 2018 e, em seu ano de estreia na USF2000 pela própria Jay Howard, conseguiu o terceiro lugar no campeonato, e foi um dos dois pilotos que não corriam nem pela Cape nem pela Pabst a conquistar uma vitória no ano passado. Agora, com o campeão e o vice-campeão do ano passado conseguindo subir para a Indy Pro 2000, ele se torna umd os principais favoritos ao título, mesmo correndo por uma equipe de meio de grid.

Logo atrás dele vinha Jack William Miller (Miller Vinatieri Motorsports) e chamou a atenção de todos, mas seu carro estava fora do regulamento com um peso menor. Assim, o segundo colocado foi um dos companheiros de Rasmussen, o americano Nolan Siegel. Siegel será um dos três pilotos (junto com Christian Bogle e Wyatt Brichacek) que disputarão tanto a USF2000 quanto a F-4 USA desse ano, e esse monte de corridas deve fazer bem para a sua pilotagem, mostrando uma melhora significativa nos seus resultados.

Além dele, em quatro na tabela, terceiro de facto, vem Cameron Shields (Legacy Autosport). O australiano foi o outro piloto não Cape e não Pabst a vencer no ano passado, mas teve de parar sua temporada no meio por falta de verba na equipe. Nesse ano ele segue na mesma equipe, com a mesma quantia em dinheiro para fazer a temporada, e não sabe novamente se conseguirá terminá-la. Mas, até lá, promete incomodar os líderes, correndo por fora pelo título.

Tempos somados dos três primeiros treinos livres.

No treino oficial da USF2000, acabou caindo uma chuva forte e, apesar do treino continuar aberto, quase todos entraram na pista apenas para fazer algum reconhecimento de pista molhada ou voltas de instalação, com ninguém correndo seriamente.

Todos estão se guardando para a sexta-feira (vulgo hoje), onde teremos um treino classificatório e duas corridas! São muitos favoritos, mas só um título, e veremos quem sairá na frente na busca pelo título da USF2000 e pelo cheque que garante uma temporada completa na Indy Pro 2000 do ano que vem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário