Andretti é processada pela HHGregg

Porque a Andretti não é a Andretti se não der uma passadinha obrigatória nos tribunais durante a pré-temporada. A inimiga dessa vez é a HHGregg, que tenta reaver quase um milhão e meio dólares de volta.
E eu que achava que a maior dor de cabeça que essa empresa daria seria para pronunciar esse nome horrorroso.
Para fechar o ano de 2017 da Andretti no limbo, a equipe de Michael Andretti está sendo processada pela HHGregg, a rede de lojas de eletrônicos que ""faliu"" a pouco tempo.

Aconteceu o seguinte: em agosto do ano passado, a HHGregg, que vivia uma considerável crise interna, decidiu expandir seu marketing na Fórmula Indy (afinal a sede da empresa fica em Indianápolis) e se tornou title sponsor do carro #27 de Marco Andretti a partir de Barber nesse ano. As duas firmaram um acordo de 2,75 milhões de dólares, a serem pagos durante dezembro do ano passado e outubro desse ano e, durante a pré-temporada, a HHGregg começou a efetuar seus pagamentos, que totalizaram 1,5 milhões de dólares até o mês de fevereiro.

Mas a HHGregg faliu em março, e, obviamente, parou de pagar a Andretti. Com isso, a equipe foi atrás de outro patrocinador, e correu com a marca caloteira em St. Petersburg apenas. Outro agravante é que a HHGregg faliu, mas não desapareceu do mapa. Outro grupo assumiu a HHGregg com uma compra simbólica e assumiu todos os compromissos da antiga HHGregg, no melhor estilo CART/Champ Car. 

Agora a Champ Car da HHGregg está processando a Andretti porque quer todo o dinheiro investido de volta.

Ela pode receber esse dinheiro de volta e a Andretti pode se ferrar? 

Talvez. A lei de falências, principalmente as falências do Capítulo 11 (a mesma praticada pela CART/Champ Car e pela HHGregg agora) prevê que, obedecendo algumas condições, como ser um pagamento prefecial e etc., as novas gestões das empresas falidas pelo Capítulo 11 podem reaver pagamentos feitos até 90 dias antes da falência decretada, e que esse prazo pode ser estendido por até UM ANO se esses pagamentos obedecerem uma outra série de condições (se a empresa que receber o dinheiro tiver vínculo e mais etc.).

Assim, a Andretti pode ter que devolver 687.500 dólares, se for condenada a isso pela lei dos noventa dias, ou até todo o montante pago pelo patrocínio, 1,5 milhões de dólares, se for condenada a pagar valores de até um ano atrás.

É... Andretti não anda com muita sorte quando tem que se mover para os tribunais, vide o caso que a Andretti processou a Andretti. Mas agora é aguardar para ver o desenrolar desse caso.


Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. A notícia está incompleta. Primeiro que não é a empresa em sí que está processando a Andretti Autosport, mas sim os credores que querem reaver o dinheiro para liquidar algumas dívidas deixadas pela HHGregg. Segundo, que o grande problema é que o próprio Michael Andretti assumiu o board dessa empresa pouco antes dela quebrar, o que certamente garantiu o patrocínio para a equipe e fez com que a empresa investisse na Andretti mesmo à beira da falência - o Michael foi um insider, ou seja, garantiu que a empresa realizasse a transferência do dinheiro antes de quebrar, e é por isso que os credores agora estão indo atrás da Andretti para reaver o dinheiro.

    ResponderExcluir