Piloto do dia: Max Chilton

Uma série nova para entreter vocês na silly season gigante da Indy. Juntamos cinco dos escritores do site (Daniel Palermo, Filipe Dias Dutra, Marcelo Augusto, Matheus Antônio da Silva e Rômulo Silva) para comentar sobre a temporada de 2017 de todos os pilotos.


Em seu novo rumo de carreira em terras americanas, Max Chilton fez uma segunda temporada no #8 da Chip Ganassi Racing. Sem tantos problemas de adaptações, o inglês terminou o ano no 11º lugar (oito posições acima do ano passado), mas ainda não impressiona muito.

No ano:                                               Na carreira:
Corridas: 17                                        Corridas: 33
Vitórias: 0                                           Vitórias: 0
Pódios: 0                                             Pódios: 0
Top 5: 1                                              Top 5: 1
Top 10: 6                                            Top 10: 8



Como foi o segundo ano de Max Chilton na Ganassi? Houve uma evolução com o comparado do ano passado?

Rômulo Silva: Acho que ele evoluiu sim. Não foi uma grande evolução, mas foi suficiente para mostrar que está aprendendo.

Filipe Dias Dutra: Chilton não é mais uma divindade. Isso fala muito sobre como foi a temporada.

Daniel Palermo: Houve uma evolução, mas seus resultados ainda estão aquém daquilo que seu equipamento pode proporcionar.

Matheus Antonio da Silva: Ir pior do que no ano passado tava bem difícil, né? Mas o inglês foi razoavelmente bem, Já não fica mais estabilizado no 14º lugar nas provas em misto, alçando voos mais altos e até conseguindo uns Top 10 por aí. Nos ovais foi melhor ainda, não roda mais toda vez que tem um acidente na sua frente (só em Phoenix ele fez isso) e conseguiu o seu melhor resultado em um deles, na Indy 500.

Marcelo Augusto: Acho que melhorou um pouco, ele mostrou uma certa evolução, principalmente na Indy 500, mas nessa Ganassi B não tem como melhorar muito mesmo.


Sem a Ganassi o apoiando, seu desempenho tende a aumentar ou diminuir?

Rômulo Silva: A depender da sua nova casa ele tende a aumentar, até porque a Ganassi teve um ano meio complicado.

Filipe Dias Dutra: Sabemos que o carro 8 da Ganassi não era essas coisas todas. Então, há sim uma chance de aumentar. Mas, dessa vez, vai depender do inglês, tão somente.

Daniel Palermo: Se não continuar evoluindo, com certeza seu desempenho pode diminuir. Agora se ele se mostrar um bom piloto e se adaptar totalmente a categoria, pode fazer boas provas com um equipamento infeior ao da Ganassi.

Matheus Antonio da Silva: Sinceramente, não sei. Chilton, com um ano horrível e um ano mais ou menos, bem como o carro às vezes bom às vezes ruim como o #8 da Ganassi, se tornou uma incógnita.

Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário