Lights: Jack Harvey e Ethan Ringel terminam na ponta da Freedom 100. Vai nevar em Indianápolis.

Talvez não houvesse primeiros colocados mais estranhos para a primeira corrida em oval da Indy Lights. Harvey e Ringel lideram todo o pelotão da Schmidt-Peterson rumo a uma vitória sem chegada apertada.

Treinos

Como explorei na quarta-feira, as equipes mais antigas da Indy Lights que ainda se importam com a categoria (Belardi e Schmidt-Peterson) dominaram os treinos naquela ocasião, sempre loteando os três primeiros tempos em cada uma das sessões. Nele, mencionei também que as novas equipes estavam chegando perto delas, e no único treino livre antes da qualificação, Sean Rayhall e a 8 Star Motorsports foram os primeiros a liderar um treino livre em oval.

No treino classificatório todos esperavam uma Belardi melhor, mas ela sumiu e foi lá pro fim do grid, ficando atrás até mesmo da Carlin. A Andretti abraçou definitivamente a escuridão do fundo do grid e fechou a grelha de partida. Carlin e Juncos esperavam brigar pra ver quem seria a melhor das estreantes e, quem sabe, brigar com a Schmidt-Peterson, mas ambas ficaram a ver navios quando um raio laranja apareceu e ficou na terceira posição.  

E na Schmidt-Peterson todos esperavam pra ver qual dos três que interessam ficaria coma ponta: RC Enerson, Scott Anderson ou Jack Harvey. O inglês que briga pelo campeonato até conseguiu a ponta, sendo quase três décimos mais rápido que Enerson e Anderson, mas daí veio Ethan Ringel DO NADA e fez a pole.
Tente captar a surrealidade dessa foto.

Corrida

Tenho que colocar ele na frente várias vezes, para ver se acredito em meus olhos.
Antes de começar a prova, Max Chilton não larga por problemas no carro, e largam apenas onze. Logo na largada, Harvey pressiona Ringel e consegue a ultrapassagem já na curva dois, mas na reta oposta Ringel aproveita o vácuo e recupera a liderança. Isso aconteceria mais vezes.

SPM Dominando tudo.
Mais atrás, Kaiser, Anderson  e Enerson passam Sean Rayhall. Os dois pilotos da Schmist-Peterson também superam Kaiser e forma mo 1-2-3-4 da Schmist-Peterson na prova, que não seria desfeito até o fim. Os quatro primeiros disparam, deixando Kaiser, Rayhall e Jones formando o segundo pelotão e Serralles e Piedrahita ainda mais pra trás, enquanto Pigot e Blackstock fecham o grid.

Dito isso, separarei as disputas por pelotão, pois assim fica mais legal. Começando do fim pra frente, pra dar dramaticidade.

No comboio da derrota tínhamos Pigot e Blackstock. O piloto da Juncos segura Blackstock e o faz compania no limbo da derrota até a volta 26, mas o piloto da Andretti o passa e ele fica sozinho no fundo do poço. Na volta 33, ambos levam um volta dos líderes, e a corrida acaba sem muito mais novidades. Isso é estranho, pois Pigot não é ruim em ovais, mas levou uma piaba não só de seu companheiro de equipe, Kyle Kaiser, mas de todo o grid.

Serralles abandonado.
(Muito) A frente dos últimos vinha o pelotão da Belardi. A equipe mostrou-se combativa nos treinos, mas sem vácuo eles não se mostraram tão bem assim quando valia realmente alguma coisa. Serralles e Piedrahita não conseguiram acompanhar o resto do pelotão e para complicar mais as coisas o carro de Serralles teve problemas de câmbio, e teve que abandonar. No fim, Piedrahita pssa sozinho em sétimo lugar, se aproveitando dos acidentes e problemas dos outros.

O segundo pelotão era formado pelos pilotos que tinham bom desempenho, mas não conseguiam chegar os Schmist-Peterson: Sean Rayhall, Kyle Kaiser e Ed Jones. Kaiser passou Rayhall logo na largada, e ambos foram ultrapassados por Enerson e Anderson.  No decorrer da corrida, Kaiser consegue ser dois décimos mais rápidos que Rayhall constantemente, se afastando do carro laranja. Ambos conseguem também ser mais constante mente mais rápido que a Carlin que sobrou de Ed Jones e eles terminariam a prova em quinto, sexto e sétimo, se o pneu de Jones não tivesse furado a quatro voltas do fim e ele não tivesse encontrado o muro na curva quatro.

Jones batendo.

Esse lance definiu a corrida, pois trouxe a única bandeira amarela da prova a três voltas do fim, e como não havia mais tempo para bandeira verde, a prova acabou ali mesmo. Ringel e Harvey disputaram muito próximos a corrida toda, com ambos revezando a liderança, até que estavam lado a lado faltando três voltas do fim, quando a bandeira amarela veio. Harvey estava menos de meio carro a frente quando ela foi acionada e foi declarado vencedor!! Ethan Ringel, que tinha até então um oitavo lugar como melhor posição, termina em segundo e Scott Anderson vence a batalha com RC Enerson e termina em terceiro!

Resultados e Jack Harvey ganhando uma urna mortuária.

Com essa vitória e as corridas ruins de Pigot e Jones, Harvey assume a ponta do campeonato, treze pontos a frente de Jones e 24 pontos a frente de Pigot.

A próxima corrida acontece nas ruas de Toronto, rodada dupla com corrida nos dias 13 e 14 de junho. Até lá!!
Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário