Informações da pista: Sonoma Raceway


Olá pessoas! Última prova antes da grande final em Fontana (que fica logo ali). Segundo o histórico da pista, will Power tem granes chances de se dar bem em Sonoma e poder ficar tranquilo daqui a duas semanas (podendo até bater, se for o caso, de novo), mas a Penske com Helio também tem um bom histórico, sendo o time que mais chegou no victory lane nessa pista. Ou posso ser pé frio e fazer com que os dois batam na primeira volta, deixando Pagenaud bem no champ, mas antes que isso aconteça, o Indy Center Brasil vai deixar você sabendo sobre algumas informações do circuito misto de Sonoma para um esquenta do final de semana:

A pista se situa no sudeste das montanhas Sonoma e perto da cidade de Sonoma na California. O recorde é variado e pertence a Nascar, mas ela utiliza um traçado bem menor do que o completo, de . Para a Indy, o recorde pertence ao australiano Ryan Briscoe, com o tempo de 1:16.491 em 2005, só que na época o traçado também era diferente.

Ela também tem a capacidade de abrigar 107 mil espectadores em dias de corrida nas arquibancadas ao longo dos morros que envolvem a pista.




  1.  Sonoma Raceway já foi chamada de Sears Point Raceway e Infineon Raceway.





  2. O circuito foi inaugurado em 1968 e a primeira categoria que correu lá foi a SCCA Enduro. Um ano depois, em 1969, a finada Formula 5000 correu como um evento teste. Como o circuito foi aprovado, a USAC correu no ano seguinte e Dan Gurney obteve a vitória, mas a categoria correu apenas uma única vez.

  3. Ainda em 1969, a pista foi vendida à Filmways Corp., uma empresa de entretenimento da época, mas após problemas com dívidas, tanto a empresa quanto a pista faliram. Com isso, o circuito ficou um tempo sem receber nenhuma corrida. Apenas em 1973 que Bob Bondurant conseguiu comprá-la e a transformou no quintal de sua auto-escola. 

  4. Dos anos 70 até começo dos anos 80, a história se resumia a leilões e problemas judiciários com os proprietários da pista. Só em 1984 que o campeão da NHRA, Rick Betts e John Andersen compraram ela por um leilão e fizeram uma reforma completa em 1985, assim, o circuito passou a se chamar Sears Point Raceway.

  5. Com o fechamento de Riverside para a construção de um shopping em 1988, a Nascar precisava de outro lugar para correr em road course no estado da California, dessa forma, chegaram em Sears Point.

  6. A IRL começou a correr em 2005, mesmo ano em que ela adicionou os mistos de Watkins Glen e o circuito de rua de St. Petersburg no calendário, quebrando a regra de ser uma categoria só de ovais. Neste ano, o GP completa 10 edições.

  7. A Indy utiliza uma versão reduzida do traçado completo, o mesmo utilizado pela AMA Superbike, mas que é maior do que o traçado utilizado pela Nascar.


  8. Foi aqui que Marco andretti conquistou sua primeira vitória na categoria em 2006. Na época, Marco tinha apenas 19 anos, 5 meses e 14 dias. Com isso, detém o recorde de ser o piloto mais jovem a vencer numa categoria top de Open-Wheel.





  9. O maior vencedor de Sonoma é o australiano Will Power, com três vitórias (2010, 2011 e 2012). Por isso ele é o favorito para se dar bem no campeonato nessa pista.



  10. Os brasileiros que correm em Sonoma já venceram pelo menos uma vez. Tony venceu a primeira edição em 2005 e Helio venceu em 2008, edição que tem a maior média de velocidade até agora, com 100.254mph.

  11. Com exceção de Dário Franchitti, todos que já venceram em Sonoma estarão na pista.

  12. O australiano teria conseguido o título de 2012 caso Ryan Briscoe, seu companheiro na época, o deixasse vencer a corrida. Briscoe terminou em primeiro e Power em segundo.


  13. Além da Indy e as categorias do Road to Indy, a Nascar Sprint Cup, a NHRA e outras categorias de motociclismo correm em Sonoma.



Curva 2:
Uma curva cega. Seu ponto de referência são apenas as placas de sinalização dos metros que ficam distantes das margens da pista. Alguns pilotos podem utilizar até a ponte que passa por cima da pista logo após a curva 1.

Curva 3:
Duas pernas cegas. A mais cega é a última parte, a curva para direita, que deixa uma sensação de estar caindo no vazio, pois o relevo sobe e desce enquanto o piloto vira o volante. Ali vários carros costumam sair da pista graças a isso.

Curva 6: (The Carroussel):
É outra curva complicada e cega. O piloto precisa procurar ficar no centro da pista e ser paciente, pois só há um ponto para acelerar novamente, senão ele acaba saindo fora da pista no final dela e acaba perdendo tempo e velocidade na reta que vem logo a seguir. Os pilotos que estão atrás dos outros carros também devem tomar cuidade para saber o ponto certo de reacelerar e ir pra cima do carro da frente.
  
Curva 7:
É uma curva de 180º que só a Indy utiliza. o piloto precisa estar na parte externa o maximo possivel antes da curva para contorná-la bem, assim como acontece com outras curvas de 180º. Os pilotos, caso se percam, podem utilizar a parte de asfalto que a Nascar utiliza para não perder tempo e até fazer algumas ultrapassagens.

Curva 8: (The Esses):
Curva de alta velocidade e muito técnica também. Os pilotos precisam ganhar caminho sem utilizar as zebras, pois elas podem jogar o carro pra fora. Eles também precisam manter o controle no pé do acelerador sem pisar nem aliviar muito. Dependendo da forma que ele faz a curva, ele consegue uma ultrapassagem na reta que vem depois.

Curva 11: 
A última curva. Ela é importante porque, dependendo da forma que ele sai dela, ele é ultrapassado ou ultrapassa alguém, pois ela tem uma área de escape grande e quase nenhum ponto de referência.


Fontes: Wikipedia | Trackpedia
Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário