Post Page Advertisement [Top]

Para fechar 2018 com chave de ouro, Pato O'Ward vence a última prova do ano após largar da última fila do grid. Victor Franzoni termina a última prova do ano no quinto lugar.

Começamos o fim de semana em Portland com uma novidade pois, desde a rodada dupla disputada em Road America, no início de junho, tivemos um aumento no número de carros na prova. Isso porque a Juncos Racing alinhou um segundo carro para o sul-coreano Heamin Choi.

Normalmente sempre vemos Andretti brigando sozinha na ponta dos grids, principalmente com Pato O'Ward e Colton Herta, os dois únicos pilotos a brigar pelo título até a última rodada na Indy Lights , brigando pelas poles. 

Mas o treino classificatório para a segunda prova de Portland foi completamente atípica. A sessão começou com O'Ward fazendo o melhor tempo, mas com apenas oito minutos de pista, o Mexicano pisou na terra entre as curvas três e quatro e bateu na barreira de pneus, acionando a bandeira vermelha. A bandeira verde foi dada faltando dez minutos para o fim da sessão, e Telitz fez a melhor volta da sessão, assumindo a pole provisória mas, três minutos depois, veio nova bandeira vermelha quando Victor Franzoni errou na curva onze e foi parar na grama.

A bandeira verde final veio faltando apenas dois minutos e meio para o fim da sessão. Todos teriam a oportunidade de dar apenas mais duas voltas na pista. Foi aí que Norman brilhou; se aproveitando do vácuo de Colton Herta, que estava a sua frente, o americano fez duas vezes a volta mais rápida do treino e terminou com a pole da corrida 2 de Portland. A dupla da Belardi veio logo atrás, com Telitz em segundo e Urrutia em terceiro, e Herta, que foi o primeiro a sair dos pits na bandeira verde final, ficando em quarto:

A largada da última prova do ano foi, muito provavelmente, também a mais animada e acidentada. Ryan Norman largou muito rapidamente, não desacelerando o suficiente para trazer alguma vantagem para si e, com isso, os pilotos mais atrás conseguiram emparelhar com os líderes, formando um raro 6-wide na entrada da curva um: Urrutia e Franzoni por dentro, Norman e Herta no meio e Kellett e Telitz por fora.

Obviamente isso não deu certo. Sem espaço, Franzoni tocou em Norman, que não teve espaço e tocou em Herta e Kellett. Os três pilotos da Andretti não tiveram espaço para fazer a curva, com Norman indo ao muro da reta, Herta tendo de fazer o desvio e Kellett passa direto pela chicane, tentando atropelar as placas de publicidade, que quebraram a frente de seu carro. Victor Franzoni teve seu bico avariado também. Bandeira amarela.

Entre os que decidiram fazer a chicane, Aaron Telitz estava mais por fora, passou Urrutia quando este embarrigou a primeira curva e assumiu a ponta da prova, com o seu companheiro de equipe em segundo e O'Ward, assistindo tudo de camarote, em terceiro. Heamin Choi estava em quarto, mas abriu passagem para relargar no fim do grid. Franzoni e Herta foiram aos pits para trocar seus bicos e voltaram em quarto e quinto, respectivamente, com Kellett voltando em sétimo (três voltas atrás) após trocar o bico e Ryan Norman abandona com um braço de suspensão quebrado.

A relargada veio na volta seis (de 35 totais). Telitz conseguiu manter a ponta, sendo perseguido por Urrutia e O'Ward, enquanto Franzoni batalhava para se manter em quarto, mas não conseguindo, e sendo ultrapassado por Herta na curva um da volta sete.

A diversão nesta corrida continuou na 9ª volta. Urrutia conseguiu assumir a liderança após fazer um movimento ousado na curva dez após Telitz errar a tomada da curva. O'Ward seguiu o uruguaio após ultrapassar Telitz por de fora na curva um. Telitz perdeu momento quase caiu nas garras de Herta na curva um da volta onze, mas o piloto da Belardi se manteve a frente do piloto da Andretti. 

O'Ward partiu para a caça pela liderança, pressionando Urrutia. O mexicano tentou por quatro vezes ultrapassar o uruguaio, mas Urrutia se defendia indo para dentro, deixando o lado de fora para o mexicano, e espalhando na primeira curva, obrigando O'Ward a recolher o seu carro para não bater. 

Mas, na 16ª volta, O'Ward conseguiu enganar Urrutia. Eles estavam muito próximos e Urrutia se moveu para dentro, ficando no meio da pista; daí O'Ward ameaçou colocar por fora mas, pouco depois da freada, jogou seu carro por dentro, surpreendendo Urrutia e conseguindo fazer a curva uma frente do uruguaio, assumindo a ponta da prova.

Urrutia perde rendimento e segura Telitz, Herta e Franzoni, enquanto O'Ward dispara.
Na 25ª volta, Telitz passa Urrutia por dentro na curva um, após ambos travarem seus pneus e com o americano usando seu último push to pass. 

 
Na volta seguinte, Urrutia trava novamente seus pneus na curva um e passa reto na chicane. Ele volta na frente de Herta e Franzoni, mas ambos estavam muito colados no uruguaio. 



Franzoni não quis esperar Herta fazer o movimento para cima de Urrutia e, buscando surpreender o vice-campeão, mergulha por dentro na curva sete. O movimento dá parcialmente certo, com o brasileiro ficando a frente de Herta, mas Franzoni tem de espalhar para cima do americano e ambos saem da pista, com Herta voltando mais de dois segundos atrás do brasileiro. A ultrapassagem esteve sob júdice da direção de prova, e Franzoni optou por voltar atrás e deixar Herta passar por ele, voltando ao quinto lugar da prova.

Nesse meio tempo, Urrutia tinha escapado um bocado de ambos, e tanto Herta quanto Franzoni só conseguiram colar novamente no uruguaio faltando duas voltas para o fim, mas já não há tempo para mais nada. A bandeira quadriculada vem e O'Ward vence em grande estilo, com uma margem final de vitória de 7,7855 segundos sobre Telitz. Urrutia passa em terceiro, tirando Herta e Franzoni do pódio. O'Ward faz zerinhos de vitória nas Curves do Festival.

E é isso pessoas! A temporada já tinha decidido matematicamente na corrida passada que O'Ward era o campeão, seguido por Herta e Urrutia no terceiro lugar. Nessa corrida, mesmo abandonando, Norman se sagrou quarto colocado, apenas quatro pontos a frente de Victor Franzoni, que termina o campeonato no quinto posto.

A próxima atividade, agora que o campeonato 2018 acabou, é o Chris Griffis Memorial Test, que acontece nos dias 22 e 23 de setembro e marca o início da pré-temporada do Road to Indy (agora sem Mazda na frente). Até lá!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]