• O que rolou na ida da McLaren à Detroit

    O CEO da McLaren, Zak Brown, e o consultor da equipe, Gil de Ferran, se reuniram com vários proprietários de equipes da IndyCar Series e representantes de ambos os fabricantes de motores no sábado (30), em Detroit.

    A McLaren está explorando a possibilidade de montar uma equipe na Fórmula Indy em tempo integral a partir do ano que vem. A McLaren já havia enviado uma delegação para o GP de Indianápolis em 12 de maio no Indianapolis Motor Speedway. O retorno de Brown a uma corrida da Indy logo após as reuniões anteroires é um forte sinal de que sua "fase de exploração" está chegando a alguns status interessantes.

    Brown disse ao portal Autoweek que apesar das relações anteriores com a Honda na F1 e quando Fernando Alonso competiu na 101ª edição das 500 Milhas de Indianápolis em 2017, a McLaren poderia usar motores Chevrolet em sua possível participação na categoria.

    "Estamos bastante interessados ​​na Chevrolet, assim como também estamos interessados ​​na Honda", disse Brown. "Estamos ouvindo o que os dois lados têm a dizer enquanto continuamos a explorar nossas opções."

    O site Autoweek também apurou que quando Brown se reuniu com elementos-chave dentro do paddock da IndyCar, ele disse que a McLaren traria um "piloto de classe mundial" para a categoria com sua equipe. Combine isso com alguns comentários negativos recentes que Alonso fez sobre a Fórmula 1 e seus elogios à IndyCar e às 500 milhas de Indianápolis, o que parecem fazer do bicampeão mundial de F1 um candidato ideal para essa nova empreitada da equipe inglesa. As especulações giram em torno de que Alonso poderia disputar algumas provas na equipe ou até mesmo a temporada completa, caso sua carreira na F1 realmente chegue ao seu fim.

    ***

    Listamos abaixo os comentários feitos nesse fim de semana em Detroit por algumas figuras conhecidas no paddock sobre uma possível chegada da McLaren na Indy:

    Roger Penske, proprietário da Team Penske

    "Se colocarem a McLaren na IndyCar, seria um grande passo à frente", disse Penske. "Eu conversei com Zak e disse: 'Ei, espero que vocês venham. Uma boa equipe como essa pode trazer muito prestígio para a categoria. Certamente, com sua especialidade, eles seriam uma força real. Eles foram uma força no ano passado com a Andretti".

    Roger disse que sua equipe Penske não estaria interessada em servir como parceira da McLaren na IndyCar porque já está focada em seu programa de três carros na categoria, bem como competindo na NASCAR e na IMSA. 

    "Ele precisa manter o nome da McLaren por si só e não ficar ligado a mais ninguém", disse. "Mas nós temos mais do que podemos lidar agora, então não estamos no negócio de parceria agora. Mas conversei com ele hoje e o incentivei a vir. Isso seria ótimo se viessem, não seria? Isso seria ótimo". 

    Gil De Ferran, consultor da McLaren

    "A melhor pessoa para conversar é o Zak, mas estamos aqui investigando", disse De Ferran. "É ótimo estar de volta em Detroit e ver muitos velhos rostos amigos. A IndyCar desempenhou um grande papel na minha vida".

    Gil De Ferran e Alonso em Indianápolis no ano passado.

    "Falando filosoficamente, do meu ponto de vista tudo o que faço tento entender muito bem para me colocar em uma posição de estar em uma situação competitiva. Isso requer muito pensamento, investigações, conversas e compreensão. Francamente, é isso que precisa acontecer antes que qualquer grande decisão seja tomada". 

    "Eu acho que a IndyCar está fazendo um ótimo trabalho. A série subiu e cresceu. Eu acho que a Indy 500 é uma ótima corrida e é fantástica".

    Mike Hull, diretor-gerente da Chip Ganassi Racing

    "Não sei o que Zak e a McLaren têm em mente, mas lembro-me da linhagem da McLaren Racing e estou surpreso, de certa forma, pela procura por um parceiro", disse Hull. "Eu acho que eles deveriam comandar seu próprio time e focar nele por um longo tempo. Eu acho que seria ótimo e ótimo para as corridas americanas verem a McLaren Racing de volta à toda velocidade e a longo prazo".

    "A categoria é acessível com base na estrutura de custos da Fórmula 1 em comparação com a estrutura de custos da IndyCar e das corridas em si", disse Hull. "Eu adoro o Gil de Ferran e sempre admirei o que ele fez em sua carreira de piloto. O alinhamento de Gil com Zak é uma grande parceria e acredito que o conselho que ele lhes dará é muito valioso".

    Bobby Rahal, co-proprietário da RLL

    "Queremos ter dois ou três carros no ano que vem, então estamos à procura de alguém que possa se juntar a nós", disse Rahal. "É ótimo que a McLaren queira se envolver na IndyCar. O histórico do sucesso da McLaren é bem conhecido. O fato de eles estarem olhando para a categoria é lisonjeiro para a IndyCar, com certeza. Isso é ótimo para o futuro da IndyCar. E eu sempre tive muito respeito pelo Gil. Eu acho que é bom para a McLaren que eles tenham alguém como o Gil a bordo. Ele é um bom homem."

    ***

    Até o momento a parceira que surge como mais provável para a McLaren é a equipe Andretti. Michael Andretti, proprietário da e1uipe, preferiu não dar muitos detalhes sobre alguma possível negociação, mas admitiu conversar com Brown o tempo todo, porque eles "são muito amigos".

    Aguardemos o desenrolar dessa história...

    Fonte: Autoweek
  • POSTAGENS RELACIONADAS

    2 comentários:

    1. Concordo com Mike Hull. McLaren na indy seria ótimo, mas mais fantástico ainda seria se comprometessem a virem e fazerem um projeto de equipe única, sem parcerias. Mas faço uma ressalva, se fizerem isso e o Alonso vir, precisarão contratar um segundo piloto experiente pra auxilia-lo, porque duvido que ele vá andar no ritmo dos pilotos experientes, considerando que ele nunca andou em quase todas as pistas, não conhece o novo carro e a indy não oferece muito tempo de treino.

      ResponderExcluir
    2. Seria sensacional para a Indy, a Mclaren vir, mas sem parcerias, como equipe própria, isto poderia atrair até outras marcas, como no caso a Ferrari, que vive ameaçando deixar a F1.

      ResponderExcluir