Como anda o desempenho de cada piloto?




Depois do Texas, e com Road America logo ali, a Indy chega na metade da sua temporada. Não parece, mas sim.

E depois de nove etapas, como que cada piloto se apresentou para 2017? As revelações, as decepções, os que nem serão citados. Separamos nossa lista em quatro grupos, começando pelos que se encaixam nas decepções, ou os que são ruins mesmo, no Grupo D. Assim, no Grupo A ficam os melhores, as revelações da temporada.

Lembrando que apenas pilotos que participam de toda temporada estarão presentes nesta lista, então nada de Chaves, Vautier ou Saavedra.

_____________________________________________________________________________

Grupo D


Conor Daly

Tudo bem que a draga da AJ Foyt não ajuda, inclusive a equipe do lendário cinco vezes campeão de Indianapolis é a pior do grid. Isso não tira a culpa de que Daly poderia tirar algo melhor de seu carro. Afobado, sua batida na Indy 500 deixou um ar de instabilidade e insegurança para o piloto. Correu bem sim no Texas, mas é nos ovais onde a esperança por resultados melhores para a AJ Foyt se encontra, e só tem mais três no campeonato. Pode jogar essa temporada fora.



Marco Andretti

O que dizer deste enorme cavalo de tróia: com esse paitrocínio, até eu. Andretti é mais citado nos problemas do que nos bons resultados. Hunter-Reay está a poucos pontos atrás dele no campeonato, mas isso porque o motor estourou duas vezes mais. Sua consistência não inveja a ninguém. 3 Top 10, médias de AJ Foyt. Numa temporada tão disputada quanto essa, com mais pilotos pontuando e vencendo, seu nome fica entre os piores. E se não me engano, já não é a primeira vez que isso acontece.


Charlie Kimball

Ah, se não fosse o patrocínio. Kimball é o PIOR piloto com o carro que tem: uma Ganassi. E isso não vem apenas dessa temporada. Um lapso de melhora em 2013, quando venceu em Mid-Ohio, e tudo se afunda. Não me lembro da última vez em que seu nome era citado como um dos favoritos da prova, talvez nunca foi. Nem mesmo quando foi pole no Texas. Alguns dizem que foi falta de sorte, que o motor estourou, que teve isso ou aquilo. Porém, é o único com alerta VERMELHO para continuar na equipe. Ah, se não fosse o patrocínio.

_____________________________________________________________________________

Grupo C

JR Hildebrand

Voltou para fazer mais do mesmo, só que em outra equipe. O mais do mesmo não é pela consistência, e sim pela falta dela. Teve um pódio em Phoenix mas deixou de correr em Barber com a mão machucada. Corria bem na Indy 500, mas foi penalizado e mandado para o meio do grid. Isso resume sua temporada, e carreira na Indy. Altos e baixos. Mais baixos do que altos. Por isso, ele está no nosso Grupo C. Aliás, a Ed Carpenter não está nada bem nessa temporada.



Tony Kanaan

Outra enorme decepção, e eu nunca fui de patriotismo/ufanismo. Mas mesmo os que se dizem ser desse encantador grupo de pessoas, falam o mesmo. Sua treta com Hamilton poderia ter sido melhor, se não colocassem seus resultados à prova. Dixon numa temporada monstruosa, como sempre, também ajuda a afundar seu desempenho no grid. Até Chilton tem mais do que o dobro de voltas lideradas. O carro #10 precisa de um Tony Kanaan dos tempos de 2004, e esse não sei se volta mais. Tomara que eu esteja errado.


Mikhail Aleshin

O russo insano está aqui mais pelo que seu companheiro fez com o mesmo carro, do que ele por si só Enquanto o prefeito de Hinchtown venceu na Praia Grande, adquirindo ainda mais dois Top 5 e quatro Top 10, Aleshin fez menos da metade desses números, apenas com dois Top 10. Seu nome quase nem é citado nas corridas, apesar da lindeza de seu bólido bordô escuro. Sinal de alerta para seu futuro na SPM.




_____________________________________________________________________________

Grupo B

Graham Rahal 

É daqueles que não se sabe como, mas está indo bem. Aproveitou das estratégias malucas de Detroit para vencer as duas provas. Aliás, se não fosse a vitória dessas duas corridas, dificilmente estaria neste grupo. De uns anos pra cá, começa a mostrar finalmente seu título de "queridinho da América" em 2007, mas vamos lembrar de que ele corria na ChampCar. Veremos como se sairá agora que está com a moral pra ele.




Alexander Rossi

Outro vindo da europa. Seu nome poderia estar no Grupo A, se não fossem os inúmeros problemas com motor Andretti. Seu gosto pela Indy começa a ganhar forma. Rossi, o filho pródigo. Michael fez bem em continuar com ele após a vitória da centenária Indy 500, pois nem eu achava que ele iria ter uma temporada digna de um Andretti, e não estou falando do Marco. Se a Honda não ter mais problemas daqui pra frente, o que é difícil, poderemos ver mais seu bólido no pelotão da frente.



Max Chilton

Chilton teve mais sorte que talento, mas sorte vence corridas. Fez um belo papel quando estava na frente. E detalhe: o britânico só esteve na frente nos ovais, justamente onde ele não teve experiência na Europa. Por conta disto, ele está entre as revelações do campeonato, vindo de um começo de carreira terrível na Indy, com várias especulações sobre seu talento. O futuro pode ser belo.





_____________________________________________________________________________

Grupo A 

Takuma Sato

Tirando Castroneves e seu invejável marketing, Sato é o mais simpático do grid. Não há nenhuma pessoa na terra que não comemorou sua vitória na Indy 500 (a não ser aquele jornalista do Denver Post). O quarentão ainda sabe fazer bonito. Tudo bem que tem uma Andretti na mão, mas Hunter-Reay também tem, e nas provas que terminou não correu tão bem quanto o japonês. Se não fosse sua empolgação no Texas, teria terminado entre os três primeiros. Seu lugar está muito bem guardado entre as revelações da temporada.


Scott Dixon

Mesmo com dois DNFs e um pulso trincado, ainda é o Dixon. Um monstro. Favoritaço em toda corrida que participa, mesmo quando anda lá trás. É o melhor piloto do grid atual, disparado, além de líder do campeonato. Não preciso dizer muita coisa, né?








Ed Jones

Seu nome seria citado mais vezes se não fosse o efeito Alonso. No prêmio de rookie da corrida também. Terceiro na Indy 500, correndo bem nos ovais e nos mistos. Aliás, o carro da Dale Coyne tá um foguete (Bourdais que o diga). Junta-se esses dois quesitos, e você tem a revelação da temporada até aqui. Dificilmente este prêmio sai das mãos dele.






_________________________________________________________________________________


E então? O que você, fã da Indy, achou dessa lista? Percebeu que os pilotos da Penske sequer foram citados? Existe um motivo por trás disso? Não perca os próximos capítulos...
Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário