Piloto do dia: Max Chilton

Uma série nova para entreter vocês na silly season gigante da Indy. Juntamos quatro dos escritores do site (Filipe Dutra, Marcelo Augusto, Matheus Antônio da Silva e Rômulo Silva) para comentar sobre a temporada de 2016 de todos os pilotos.
Junto na esquadra da decepção inglesa, o novato Max Chilton terminou o ano no penúltimo lugar, tendo como melhor resultado o sétimo lugar em Phoenix e um segundo top 10 com o décimo lugar em Watkins Glen:

- Como vocês avaliam a temporada de 2016 de Max?

Marcelo:  Decepcionante. É até compreensível quando você lembra que ele veio da Fórmula 1 e tem formação europeia no automobilismo, mas daí você lembra que ele fez uma temporada na Indy Lights também, pela Carlin, chegando a ganhar corrida até. Então não é tão compreensível assim.

Rômulo: Uma decepção. Ele fez uma temporada completa na Lights no ano passado, ou seja, conheceu circuitos, se familiarizou com a Indy, e ainda pulou para a categoria principal pilotando para uma das melhores equipes. Ou seja, tinha tudo para conseguir resultados melhores do que ter um 7º lugar em Phoenix como melhor resultado. Mas não apenas os resultados refletem o seu retrospecto, a temporada toda do Chilton foi bastante apagada, poucas vezes vimos o carro #8 entre os primeiros nas provas.

Filipe: Mediana. Apesar das zoeiras, o Chilton é um piloto que vale mais do que pilota. Embora o carro #8 da Ganassi ser historicamente ruim, o inglês não fez nada excepcional não.

Matheus:  Esperava anos-luz mais do que ele mostrou. Chilton ainda parece um peixe fora d’água na categoria, onde quase nunca mostrou desempenho melhor ou parecido de seus companheiros de equipe (nem mesmo o Charlie Kimball).

- Deve-se esperar uma grande melhora de Max no seu segundo ano de Indy?

Marcelo:  Talvez. O ideal seria ele permanecer na Indy por mais uma temporada, mas acho que ele pode acabar saindo pro WEC ou outra que queira ele por lá.

Rômulo: Não uma "grande" melhora, mas um "crescimento considerável". A primeira temporada foi tão apagada que nem precisa fazer muito conseguir algo melhor.

Filipe: Sim, porque Chilton deverá ter mais experiência nas pistas da Indy, e poderá se sair melhor.

Matheus:  Ahn... Talvez sim. Mesmo ele tendo feito uma temporada (ou quase) na Lights, dava pra ver que, em alguns pontos, ele parecia meio deslocado na Indy. Isso refletiu muito em seu desempenho, tanto nos treinos quanto nos resultados, onde seus melhores pontos foi onde a Ganassi já tinha bom ajuste (nos ovais e em Glen, por exemplo). O duro vai ser aguentar ele e Kimball juntos mais um ano na Ganassi.


Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário