• Allmendinger diz que só volta aos monopostos num cockpit fechado

    Após ver o amigo Justin Wilson perder a vida em um acidente durante a etapa da Indy em Pocono, em agosto do ano passado, A.J. Allmendinger, atualmente na NASCAR Sprint Cup, diz que não anda mais em carros com cockpits abertos. A única possibilidade de o norte-americano retornar aos monopostos seria em um com cockpit fechado.

    “No momento em que Justin Wilson morreu, eu disse a mim mesmo: nunca mais corro em um carro com cockpit aberto. Nunca mais", disse o piloto. “Eu só voltaria a um monoposto se colocassem uma cobertura, comprovadamente segura, nos cockpits. Caso contrário, nunca mais".

    Allmendinger e o amigo Justin Wilson na época da Champ Car. (Foto: Autosport)

    Allmendinger correu na CART entre 2004 e 2006, antes de se mudar definitivamente para a Sprint Cup, ainda em 2006. Correndo na Penske desde 2012, o piloto fez seis participações na Indy desde então - incluindo as 500 Milhas de Indianápolis em 2013.

    Apesar de reconhecer os avanços em segurança feitos na NASCAR desde que ele se mudou para a categoria, Allmendinger reconhece que nunca é possível estar totalmente seguro dentro de um carro de corrida.

    “Todas as categorias tem feito um trabalho buscando cada vez mais segurança. A NASCAR trabalha continuamente nas pistas e nos carros. A direção que eles têm tomado mostra que eles estão certos, pois houve progresso", disse.

    “Chegará o dia em que você entrará em um carro de corrida e vai dizer 'ok, não há nenhum risco de algo ruim acontecer'? Não, o perigo faz parte das corridas e sempre fará", afirmou.

    “Mas o melhor que podemos fazer é tornar tudo o mais seguro possível. Hoje é tudo mais seguro do que há 15 anos. Mas quando olho para a Indy, aquilo (a morte de Wilson) me afastou demais de lá", completou.

    Fonte: Motorsport
  • POSTAGENS RELACIONADAS

    Um comentário:

    1. Sei lá, acho que essa precaução é pura paranoia. Se cockpits fechados fossem seguros, não haveria mortes em corridas do tipo "Le Mans". Lembro do ex-F1 e ex-IRL Michelle Alboreto, que faleceu em 2001 na Alemanha, pilotando um carro do tipo protótipo e fechado.
      Fazer cockpits fechados não eliminariam o risco de morte e ainda descaracterizaria os carros Open-Wheel (se bem que eu acho aceitável as proteções feiosas que os carros atuais da Indy utilizam).
      O automobilismo é um esporte arriscado e sempre será, e sugestões para que algum dia haja cockpits fechados, soam como pedir para que aviões percorram seus trajetos em solo, pois assim evitariam o risco de queda.

      Um abraço!

      Karl

      ResponderExcluir