Top X: em busca da batida perfeita - as 15 batidas mais relevantes de 2014

Olá! Não somos muito fãs dessas listas de "o melhor alguma coisa de de dois mil e catorzzzZZzzz" mas somos um veículo especializado em Indycar que não faz algo especial sobre as batidas que ocorreram na categoria é considerado poser pela mídia especializada, então enumeramos as 15 principais batidas da Indycar esse ano.

A batida mais icônica de 2013. Qual será a de 2014?

Não parece, mas o ano teve um bocado delas.

15º Scott Dixon esquecendo o cérebro em casa enquanto corria - Gp de Indy.

Terceira maior batida por burrada de 2014.



Tá, começamos mal, pois essa não foi uma batida relevante, MAS a utilizo para chamar a atenção para um fato importante: desde a reunificação, todo o ano que Scott Dixon não está disputando o título, ele faz uma burrada. E não são duas, três ou vinte, é apenas UMA durante o ano que não disputa o título.

A burrada desse ano aconteceu na novíssima prova no misto de Indianápolis. Na volta 41, enquanto Power conseguiu ultrapassar o Neo-Zelandês após tentar por mil anos, Dixon se inspirou em Charlie Kimball e faz aquilo que está no vídeo. Não sei o que ele pensou, mas a justiça das pistas funcionou e apenas Scott Dixon saiu prejudicado do lance.

14º Luca Fillipi batendo em todas as provas que disputa - Houston e Toronto.



Essa lista tá de mal a pior com esse monte de lance irrelevante, nem tem vídeo nessa parte, mas esse ano causou depressão no piloto italiano. Luca estava escalado pra fazer apenas duas rodadas duplas (em Houston e em Toronto) no complicado e meio aposentado segundo carro da Rahal Letterman.

Na primeira corrida em Houston os pilotos encontraram uma pista ainda molhada, e em uma das relargadas o nosso personagem abre um pouco além da conta na última curva e fica por ali mesmo. No dia seguinte, na segunda prova, Filippi tem a pachorra de errar a duas curvas de terminar a prova e fica parado na pista, mas já não importava tanto pois o piloto já estava uma volta atrás.

Em Toronto a sorte não foi melhor. Primeiro Luca se envolve num contato com Pagenaud, que gerou a bandeira vermelha que será citada no sexto lugar; e na volta 16 ele toca sozinho na saída da curva dez e é obrigado a abandonar, mas a equipe conserta a suspensão e o piloto consegue largar a segunda prova. A tarde, Luca Fillipi vinha bem na chuva, sempre entre os dez primeiros, até passar direto na curva oito que todos estavam errando por passar na parte de concreto molhado. O italiano consegue continuar na prova e termina na décima sexta posição, o último na volta do líder.

13º Carpenter batendo em Montoya - Iowa.

Segunda maior bate-boca entre cavalheiros de 2014.


Iowa foi especial esse ano. Não só pela boa disputa em pista e pelas estratégias, mas também pelo momento em que Montoya voltou a ser Montoya (talvez ele nunca tenha deixado de ser, mas só naquele momento tinha se revelado na Indycar).

Faltando menos de vinte voltas pro fim, Montoya vinha para ultrapassar Ed Carpenter já fazia quase duas voltas. Quando o colombiano finalmente conseguiu se posicionar por dento no oval de 7/8 de milha, Ed Carpenter releva completamente a existência do oponente e desce para a mesma linha, e Montoya se estrepa no muro e fica puto.

Dá para ver o nível de rage que ele atingiu na sua declaração logo após a batida, dizendo que "se Carpenter não for punido pela direção, eu mesmo vou puni-lo", mas logo o plácido americano que decretou o fim da prova para Montoya contorna a situação declarando: "espero que Montoya não chute minha bunda".

Por isso eu amo a Indy (e porque tem corridas boas também, mas isso é detalhe).

12º Relargadas FAIL - St. Petersburg e Gp de Indy.

Regra mais estúpida de 2014.



Na primeira relargada do ano, ninguém entendeu direito o motivo de Will Power demorar tanto para acelerar na relargada e causar a batida dos novatos Hawksworth e Carlos Muñoz e de Marco Andretti. O povo ficou consideravelmente bravo com isso e culpou o futuro campeão sem dó. Entretanto, aquele era um movimento normal e aprovado pela direção de prova.

A regra de relargada tinha mudado: o líder só poderia reacelerar a velocidade de corrida após atingir uma certa linha, que ficava consideravelmente próxima a linha de largada/chegada. Ideia parecida é praticada na NASCAR e não funcionou muito bem nos mistos e circuitos de rua da Indy porque muitos dos pilotos esqueciam/não ligavam para a regra e relargavam a sua maneira.

Bem, a regra não mudou durante o ano, apenas a zona de reaceleração foi trazida mais para trás nos circuitos, mas muitos dos próprios líderes do comboio não ligavam muito para ela e reaceleravam onde queria. A direção de prova não os puniu e a regra caiu no esquecimento. Ainda bem.

11º Jack Hawksworth deslocando o seu coração em busca da batida perfeita - Pocono.

Segunda maior batida fora das corridas em 2014.
Segunda maior Força-G de 2014.
Terceira maior decolagem de 2014.


Jack Hawksworth nunca foi esse talento todo para ovais, onde o piloto entrava na pista apenas para levar voltas dos outros e bater (exceto em Milwaukee, mas Milwaukee é oval café-com-leite). Entretanto, ele exagerou em Pocono.

Justiça seja feita, ele não teve tanta culpa de seu carro sair um pouco de frente na curva um do tri-oval, deu um rodopio e bateu de traseira a mais de 250km/h no SAFER barrier. A batida nem areceu tão grave assim, mas o piloto teve "apenas" uma luxação no braço e um DESLOCAMENTO NO MÚSCULO CARDÍACO.  Apesar disso, o piloto levou sorte que a batida foi no ponto mais lento do circuito, e na corrida seguinte já estava de volta a Iowa para levar um monte de voltas dos outros competidores e terminar no último lugar entre os que viram a bandeira de chegada.

As vezes a gente esquece que qualquer batida nesses ovais rápidos podem gerar consequências graves.

10º As típicas batidas largadas de Sonoma.



Alguns circuitos da Indy tem características próprias, e Sonoma é um deles. As principais características do misto californiano é:
  1. Ninguém consegue ultrapassagens, exceto quando o carro da frente está muito lento ou o piloto de trás se joga no Hairpin dos Desesperados (curva 7).
  2. Toda largada (ou relargada lado a lado) vai terminar em batida na curva dois.
  3. Todo mundo fala que o circuito é lento, mas as corridas quase nunca desapontam com esse traçado atual.
Batida na largada sempre acontecem em Sonoma. Os pilotos saem a grande velocidade lado a lado, e o zigue-zague das primeiras curvas do circuito é bem estreito, mal cabendo dois carros lado a lado.  O resultado das largadas quase sempre é um monte de carro rodando e os carros de trás levantando poeira por passar fora do circuito cheio de terra.

Nesse ano a tradição foi seguida a risca. Newgarden tocou Bourdais, que tocou em Hélio Castroneves, que tocou em James Hinchcliffe e Ryan Briscoe, que não via nada com a confusão a frente, bateu também.

9º Carpenter batendo com Hinchcliffe e Towsend Bell se safando - Indy 500.

Maior batida das 500 milhas de Indianápolis.




A Indy 500 do ano passado foi pobre em batidas e ótima em disputas, como uma prova dessas deve ser. E, nesse toque entre Carpenter e Hinchcliffe, imperou mais uma máxima da Indycar atual: não se consegue três carros lado a lado nas curvas de Indianápolis.

Na relargada da volta 175, Hunter-Reay liderava enquanto Carpenter, Bell e Hinchcliffe disputavam a segunda posição. Carpenter estava passando Bell quando o americano que só corria essa prova pressionou Carpenter ao muro, dando um pseudo-espaço para Hinchcliffe pensar que poderia se dar bem. Ele não poderia estar mais enganado e, sem muito espaço, o seu bico tocou na lateral de Carpenter que procurava a tangência da curva, e ambos bateram. Bell, que não é muito de conseguir desviar de batidas, conseguiu se safar ileso, e dois dos pilotos que brigariam pela vitória na corrida caíram fora.

Carpenter culpou Hinchcliffe pela manobra, a TV culpou Hinchcliffe, os torcedores culparam Hinch, Eu também o culpei, até o próprio Hinchcliffe se auto culpou. O canadense foi o último a emparelhar no 3-wide e poderia ter evitado a batida, mas isso implicaria em desacelerar um pouco, e sabemos que pilotos não fazem isso (ainda mais em Indianápolis)...

8º Sato vs. Aleshin - Iowa e Houston.

Maior bate-boca entre cavalheiros de 2014.
Segunda maior batida em ovais de 2014.



Os dois citados não são flor que se cheire: um foi o piloto que mais abandonou provas no ano passado, e o outro vai aparecer mais um monte de vezes nessa postagem. Quando os dois se encontravam na pista, saía faíscas e até pedaços da carro.

Tudo começou em Houston, quando houve um incidente entre os dois na primeira prova de Houston. Foi um toque de corrida, onde Sato não viu o Aleshin e fez a tomada como se nada houvesse ali; um jogou a culpa no outro e AJ Foyt tomou as dores de seu piloto.

Em Iowa os dois pilotos se encontraram novamente. Numa das trocentas relargadas da prova, Aleshin roda sozinho e Takuma não consegue desviar do carro desgovernado da Schmidt-Peterson e abandona também. Dessa vez AJ foi mais incisivo em sua declaração e solta a frase do ano:
"Tudo o que você tem, é um bando de idiotas por aí."
7º Martin Plowman voando pra cima de Montagny - Gp de Indy.

Terceira maior batida que não envolve o Aleshin de 2014.
Segunda maior decolagem de 2014.
Maior batida entre pilotos irrelevantes de 2014.



Gp de Indy de novo. A prova, que é colada com as atividades em Indianápolis, atraiu mais alguns pilotos para o misto. Dois desses pilotos eram Martin Plowman, que correria a Indy 500 pela AJ Foyt; e Franck Montagny, que correria só essa prova, no lugar de Kurt Busch.

Tudo vinha tranquilo, e os dois faziam corrida discreta até a volta 48, quando Plowman rodou sozinho na freada da reta oposta. Seu carro, desgovernado, virou de traseira e catapultou quando pegou uma das zebras altas do circuito, e acertou em cheio a lateral do carro #26. (Por pouco) ninguém saiu ferido.

6º Big Ones em Toronto.

Segunda maior bandeira ver-amarela de 2014.




Big ones cada vez mais fazem parte do cotidiano dos circuitos de rua da Indycar. Alguns circuitos bem estreitos, como Detroit, Long Beach e o finado circuito citadino de Baltimore tem suas provas paradas por destroços de carros que ficam por toda a pista e impedem a passagem.

Nesse ano houveram não só um, mais dois desses em Toronto, como se não bastasse o adiamento para o dia seguinte, a primeira prova começou com uma bandeira vermelha depois que Aleshin e Pagenaud se tocaram, o francês ficou de lado na pequena reta entre as curvas 4 e 5, impedindo a passagem de todos. Bandeira vermelha.

Na segunda prova aconteceu nova bandeira vermelha. Já quase no fim da prova, faltando apenas cinco voltas pro fim, Charlie Kimball e Carlos Huertas se tocam na curva três. O colombiano fica parado na tangência da curva, e alguns pilotos não conseguiram desviar. para não terminar a prova nesse anti-clímax, bandeira vermelha.

Desse jeito nem deu pra sentir falta de Baltimore e das suas cinco bandeiras vermelhas em três provas.

5º Graham Rahal Bate em Kanaan DURANTE a bandeira amarela - Houston.

Segunda maior batida por burrada de 2014.
Segunda maior batida que não envolve o Aleshin de 2014.



Que Graham Rahal é meio descerebrado todos nós já sabemos, mas na primeira prova de Houston, surgia a última bandeira amarela, provocada por Sebástian Saavedra, e todos estavam na expectativa, pois o líder era Carlos Huertas e JP Montoya vinha em segundo. A bandeira verde viria na última volta da prova, que terminaria por tempo.

Entretanto, nada disso aconteceu. Graham Rahal, que estava em quarto, vinha esquentando os pneus até que derrapou demais e acertou o bom baiano, que vinha em terceiro. TK sai da prova, não há relargada e Huertas vence. Rahal é posteriormente punido com trinta anos de prisão segundos acrescidos a seu tempo final, e Carlos Muñoz completa o pódio.

Rahal meu filho, você está de parabéns.

4º Big One em Long Beach.

Maior batida por burrada de 2014.
Maior batida que não envolve o Aleshin de 2014.



Os big ones em Toronto não foram os únicos do ano, em Long Beach os principais favoritos a levar a prova saíram todos de uma só vez. Saavedra liderava a prova, mas a disputa de verdade pelo troféu estava entre os que já haviam parado: Newgarden, Hunter-Reay, Power e Hinchcliffe.

A disputa era grande até a volta 55, quando Hunter-Reay fez aquilo que o vídeo mostra. Eu, que estava gritando feito uma menininha na frente do meu Stream pirata stream completamente legal que paguei com meu suor, fiz a mesma cara que Sarah Fisher fez. Esse não gerou bandeira vermelha, mas ficamos umas 69 voltas em bandeira amarela até limpar todo o monte de destroços.

Nossa, mas porque esse movimento de Hunter-Reay foi mais burro que o de Rahal? na verdade não foi um movimento mais burro, mas ambos os movimentos foram muito inocentes, otimistas e inconsequentes, mas o movimento de Hunter-Reay levou um monte de gente junto, o que o faz mais injusto e burro, ao meu ver.

E, na parte final dos três primeiros vem a maravilhosa:

Trilogia de batidas perigosas de Mikhail Aleshin


3º Aleshin atropelando o carro parado de Montoya.

Maior Kama-sutra de 2014.



A segunda corrida de Toronto começou com pista seca, mas logo a chuva voltou e pegou alguns pilotos de surpresa. Algumas curvas do circuito citadino tem sua superfície concretada, para evitar o alto desgaste do asfalto local, e na chuva o coeficiente de atrito do concreto é praticamente nulo.

Com esse ponto esclarecido, vimos um monte de gente passando do ponto na curva oito recém molhada pela chuva. Montoya passa direto e bate na barreira de pneus, bem como James Hinchcliffe e alguns outros carros. Mikhail Aleshin também acaba aquaplanando na parte de concreto da curva oito e acaba embaixo do carro do colombiano, com o pneu traseiro direito em seu capacete.

Quem imaginaria que um pneu raspando no capacete não seria o pior na temporada do russo.

2º Aleshin Atropelando o Carro parado de Saavedra.

Maior bandeira ver-amarela de 2014.
Maior ascensão e queda de um piloto em um dia: Sebastian Saavedra.



O melhor ângulo, ao meu ver, para encarar essa cena é a captada da arquibancada.  Saavedra largaria na ponta da primeira prova no misto de Indianápolis, com largada parada, e esse é o ponto mais alto da carreira do colombiano até hoje.

Mas ele nem larga. Na hora do apagar das luzes, seu carro não sai do lugar e Saavedra vê todo o grid passando por ele, quando ele pensava que não poderia piorar, ele é atingido pelo seu conterrâneo Carlos Muñoz de raspão e é abalroado por Mikhail Aleshin. Chuva de DW-12 por todos os lados.

Essa foi a última vez que Saavedra foi visto na ponta de uma prova, mas não foi a última vez que Aleshin se acidentou gravemente.

1º Aleshin atropelando Kimball e o alambrado.

Maior decolagem de 2014.
Maior batida em ovais de 2014.
Maior Força-G de 2014.
Maior batida fora das corridas em 2014



Meio mundo ficou assustado com essa. Durante o segundo treino livre da última prova no Auto Club Speedway, o russo Aleshin sofreu o acidente mais complicado de sua carreira. 

O piloto da Schmidt-Peterson desceu muito entre as curvas três e quatro, passando abaixo da linha branca da curva e a diferença de inclinação fez com que seu carro saísse de traseira, acertasse o carro de Charlie Kimball e decolasse.

A sequência de giros dados após a batida no alambrado nos fez lembrar bastante o acidente de kenny Bräck no Texas-2003. A tela de proteção foi parcialmente arrancada e se calcula que a batida chegou a acumular algo na casa dos 150G de força.

Apesar de rodar feito um pião da casa própria, Aleshin saiu vivo e chegou estável ao hospital, tendo apenas costelas quebradas, lesões nas pernas e no peito, e um traumatismo moderado no crânio. 

Hoje, o russo está praticamente recuperado, se casou e passou lua-de-mel na praia em Xóti Sochi e só não está correndo na Indycar porque não conseguiu patrocínio.


Então é isso pessoas, as 15 batidas que mais chamaram (minha) atenção em 2014. E aí? concorda com a lista? faltou algo? Algo não está no lugar certo? Comentário tá aí pra isso né??

Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário