Post Page Advertisement [Top]

O holandês da Juncos Racing vence de ponta a ponta e ressurge na briga pelo campeonato. Carlos Cunha voou do décimo primeiro para o segundo lugar da prova, enquanto Harrison Scott voou literalmente em um acidente assustador.
A sexta etapa da temporada 2018 da Pro Mazda chegou a única etapa fora do solo dos EUA, para mais uma rodada dupla em Toronto, Canadá. Os catorze carros que largaram em Road America também largaram em Toronto, mas com uma pequena diferença na BN Racing, onde Kris Wright voltou ao volante do carro #78 no lugar de Toby Sowery, que está disputando a International GT Open. Havia a expectativa da volta da DEForce Racing, com Moisés de la Vara, entretanto, o piloto mexicano ainda cumpre uma punição de um ano sem participar das competições da Indy e do Road to Indy por doping.

No fim de semana a categoria ainda mostrou seu grande equilíbrio entre as equipes, com cinco diferentes entre os seis primeiros tanto no treino livre único tanto no treino classificatório para a primeira prova do fim de semana. Entretanto, Rinus VeeKay se destacou entre todos e foi o mais rápido nos dois treinos, culminando com a pole da prova 1. De fato, os quatro primeiros do treino livre formaram as duas primeiras filas do grid da prova 1: Malukas, que foi quarto no primeiro treino, conseguiu largar da primeira fila, relegando Parker Thompson e Sting Ray Robb para a segunda fila.

O brasileiro Carlos Cunha filho, o único representante tupiniquim na categoria, teve problemas de desempenho durante todo o fim de semana e, junta treino livre e classificatório conseguiu dar apenas onze voltas na pista. Carlos conseguiu apenas o 11º lugar no grid, a frente apenas de Kris Wright, que foi punido; Charles Finelli, que corre em categoria própria; e Nikita Lastochkin que teve problemas com o motor de seu carro e não andou no treino classificatório:

Cooper Tires Pro Mazda Grand Prix of Toronto Presented by Allied Building Products Race 1

A largada foi acidentada e complicada. VeeKay não largou tão bem, o que habilitou Malukas a colocar por dentro, mas isso não é nada, pois atrás deles Harrison Scott, Robert Megennis, Raul Guzman e Sting Ray Robb fazem um 4-wide na freada da curva um. Robb, que estava por fora na curva um, deu um grande mergulho e conseguiu subir do quarto para o segundo lugar quando Malukas e Thompson perderam tempo ficando lado a lado com os líderes no 3-wide pela ponta; mais atrás, Megennis acaba tocando roda com roda com Guzmán e vai para a barreira de pneus, acabando ali sua prova. Carlos cunha, nessa curva, passou Oliver Askew e o batido Megennis, subindo para o nono lugar.

Mas ação na curva três. Robb saiu mal da curva dois e perdeu as duas posições que tinha conquistado na curva um, com Thompson subindo para o segundo lugar e Malukas para o terceiro antes mesmo da freada da curva três. Mais atrás, mais um 3-wide Antonio Serravale e Scott vinham lado a lado, com o mexicano no meio da pista e o inglês por dentro, com Carlos Cunha aproveitando e colocando por fora dos dois pilotos que disputavam o sétimo lugar. Serravale aperta demais seu companheiro de equipe, que toca o muro interno e quebra sua suspensão e decola, toca na suspensão de Serravale e nas asas traseiras de Robb e Andrés Gutierrez e acaba com o carro de cabeça para baixo na área de escape da curva três.

Acidente mais assustador do Road to Indy desde a decolagem de Nelsinho Piquet em 2015.

Bandeira amarela por cinco voltas.

A relargada veio na sexta volta, com VeeKay na ponta, seguido por Thompson e Malukas, depos por Cunha (que pulou do 11º para o 4º lugar), Askew, Kris Wright, Nikita Lastochkin, Charles Finelli e Raúl Guzmán.

Mas a calmaria só durou uma volta. Thompson e Malukas disputavam o segundo lugar, enquanto VeeKay disparava e os dois se distanciavam de Cunha. Na curva um da volta sete (de 25 totais na prova), Malukas tenta mergulhar por dentro, Thompson fecha a porta e Malukas passa por cima da zebra alta na curva um, espalha, bate em Thompson e na barreira de pneus. Thompson também toca de leve o muro, mas sua suspensão traseira direita estava quebrada pela batida com Malukas e ambos abandonam. Bandeira amarela de novo.

Relargada na volta dez. VeeKay continua na Frente, com Cunha subindo para o segundo lugar, Askew em terceiro, Lastochkin em quanrto, Guzmán em quinto (na relargada anterior, o mexicano passou Finelli pouco antes da curva um e Wright quando ele errou a curva três), Wright em sexto e Finelli em sétimo e último.

VeeKay vai abrindo distância do pelotão enquanto Cunha, que teve problemas de desempenho durante toda a sexta-feira, segurava Askew, Lastochkin e Guzmán atrás de si. Askew pressionava bastante Cunha, com o brasileiro sempre protegendo a linha de dentro e o americano tentando colocar-se por fora. Askew tentou se colocar por dentro na curva cinco, mas o brasileiro se protegeu bem, Askew perdeu momento e seu companheiro de equipe, Nikita Lastochkin aproveitou para colocar por dentro e conseguiu o terceiro lugar na prova depois de largar na última posição.

Isso foi ótimo para o brasileiro Carlos Cunha, já que Lastochkin tinha um desempenho piro que o dele e deu uma folga para Cunha, que conseguia abrir do russo enquanto ele segurava Lastochkin e Guzmán. Duas voltas depois, mais atrás, Kris Wright é pego pelo asfalto horrível da freada da curva oito, passa reto na curva e vai parar na barreira de pneus. Bandeira amarela de novo.

Relargada com oito voltas para o fim. VeeKay liderava todas as voltas, com Cunha ainda em segundo, Lastochkin em terceiro, Askew em quarto, Guzmán em quinto e Finelli em sexto.

Havia ainda sete voltas e tempo para mais brigas. Lastochlin não relargou bem e Askew conseguiu colocar por fora do seu companheiro de equipe na curva um mas, assim como Malukas e Thompson, Lastochkin espalha na saída da curva e empurra Askew em direção do muro. Sorte que os dois conseguem evitar o muro e a barreira de pneus, continuando na prova, mas Guzmán passa ambos e sobe para o terceiro lugar.

E, bem, finalmente, não acontece mais nada. Askew pressiona Guzmán pelo terceiro lugar, mas o mexicano se defende da mesma forma que Carlos Cunha se defendeu de Askew e o americano campeão da USF2000 do ano passado não conseguiu a ultrapassagem e teve de se contentar com o quarto lugar, enquanto Guzmán subia ao pódio pela primeira vez. Carlos Cunha conseguiu seu terceiro segundo lugar do ano e Rinus VeeKay vence!!
Resultados e pódio.
Mesmo com a batida na primeira prova e a vitória de VeeKay, Parker Thompson ainda é o líder do campeonato com 250 pontos, mas sua diferença caiu de 46 para apenas 26 pontos para Rinus VeeKay. Carlos Cunha vem em terceiro no campeonato com 213 pontos, treze atrás de VeeKay e 22 a frente de Malukas, o quarto colocado no campeonato.

Amanhã tem mais corrida em Toronto, até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]