USF2000: O único treino coletivo de 2016.

Pelo menos, o único treino antes de começar a temporada já nessa semana. com dezoito pilotos presentes e maior competição entre os pilotos, cinco pilotos lideraram pelo menos uma das seis sessões. Os brasileiros ainda estão se adaptando a essa coisa toda de USF2000.
Anthony Martin voltou para 2016 e já começou liderando.
Nesse ano de 2016, tivemos novidades na pré-temporada. Ao invés do tradicional Winterfest, torneio com seis corridas três semanas antes da primeira etapa do campeonato; tivemos dois dias de treinos livres marcados para acontecer em Barber apenas cinco dias antes da primeira atividade do campeonato regular em St. Petersburg.

Com isso, algumas equipes e pilotos que estão disputando o campeonato, como a JAY, a Chastain Motorsports e a Spencer Racing não deram as caras e foram direto para as praias da Flórida, enquanto ninguém sabe o paradeiro da ArmsUp Motorsports.  Mesmo assim, dezessete mancebos e uma moçoila compareceram ao Barber Motorsports Park para as seis sessões de testes de uma hora, dividida em dois dias.

Vamos primeiro falar do que aconteceu em cada um dos dias:

Dia 1.

O primeiro dia de testes foi interessante de acompanhar. Essa é a primeira atividade coletiva da categoria desde setembro, e foi interessante ver o progresso de algumas equipes perante outras. As primeiras duas sessões foram tumultuadas, com todos na pista tentando tirar o atraso de seis meses de uma vez só. 

RJB Motorsports, vivendo dias difíceis de estreante.
Nelas foi possível ver a pré-temporada mais sólida da Team Pelfrey, a fim de tirar a impressão estranha do seu ano de estreia, onde não conseguiu uma vitória sequer mesmo com um terço do grid formado por seus carros. Ela e a Pabst Racing lideraram a primeira sessão, com os seis primeiros carros pertencendo a uma das equipes. A sessão foi liderada pelo veterano Jordan Lloyd, da Pabst.

Na segunda sessão sessão, a Cape Motorsports e a John Cummiskey Racing descobriram que a sessão de treinos começou e finalmente aceleraram alguma coisa. As duas também mostram que sua maior força pode surgir com os pneus um pouco mais desgastados, as equipes receberam um número limitado de compostos, e a segunda sessão foi quase toda realizada com pneus mais velhos. Parker Thompson e Ayla Ågren lideraram essa sessão.

A sessão que encerrava o primeiro dia de testes foi realizada com a maioria dos pilotos de pneus novos e se mostrou muito equilibrada. Os seis primeiros pilotos, de quatro equipes diferentes (as quatro citadas aqui: cape, Pabst, Pelfrey e John Cummiskey) ficaram separados por menos de meio segundo. Parker Thompson liderou essa sessão, mas quem terminou o dia foi Jordan Lloyd, com o feito na primeira hora do dia.

Tempos do Primeiro dia.

Dia 2.

O segundo dia começou as SETE E MEIA DA MANHÃ locais de SEGUNDA-FEIRA (piloto sofre também). Com um dia para se avaliar tudo o que aconteceu ontem, a Cape conseguiu se recompor um pouco mais e os seus três pilotos brigaram de igual para igual com a Pelfrey e a John Cummiskey, com a Pabst caindo um pouco pelas tabelas. No fim dessa sessão, o
JAY Motorsports ressuscitando.
carro da Pabst de Garth Rickards ficou parado no ponto mais distante dos boxes, e a equipe de resgate demorou quase quinze minutos para devolver o carro para a equipe, período esse com a sessão em bandeira vermelha. Anthony Martin, da Cape, liderou a sessão.

A segunda sessão da manhã foi mais destinada a pegar quilometragem, com a maioria de pneu velho e fazendo longos trechos de treino. O destaque da sessão fica para a Team Pelfrey e Jordan Cane, que lideraram a sessão. Creio que é a primeira vez que a Team Pelfrey lidera uma sessão de algo na USF2000 desde Indianápolis,e Jordan Cane, com 14 anos, 9 meses e 15 dias, é o mais novo piloto a liderar um treino da USF2000 desde... sei lá, sempre!

Na última sessão, os pilotos rasparam o tacho, com aqueles que tinham algum pneu gastando no fim da tarde. Muito por isso, o melhor tempo feito foi o mais lento de todas as sessões. Ayla Ågren fez o tempo mais rápido.
Tempos finais dos treinos livres.
Agora, vamos aos brasileiros:

Os Brasileiros

Kohl de branco, como metade do grid. A Outra metade está de preto.
Temos dois representantes esse ano, um ou dois a mais do que no ano passado, dependendo de que parte do campeonato você usa como referência: Lucas Kohl, da John Cummiskey Racing; e Felipe Ortiz, da Afterburner Autosports.

Nos dois dias de treinos, ambos viveram situações diferentes.

Lucas Kohl teve um fim de semana sem maiores incidentes. Apesar de uma saída de pista na primeira sessão e um problema no final do segundo dia de treinos (rapidamente resolvido). O gaúcho de 18 anos foi o terceiro piloto que mais andou nos dois dias, esteve constantemente na metade de cima da tabela de tempos e conseguiu até um quarto lugar na última sessão de segunda-feira.
Foram dois ótimos dias para nós, consegui ficar entre os 10 primeiros em todas as sessões e enceramos o último treino em quarto lugar.
Orange is the new black.
Já para Felipe Ortiz, foram dois dias mais-do-que difíceis. O paulistano de 17 anos teve problemas na bomba de combustível e no tanque de seu carro e atrapalhando completamente o ritmo de treino dele.  Enquanto a maioria dos pilotos saíam dos boxes e conseguiam fazer trechos de treino mais longos, com dez ou quinze voltas, Felipe saía e voltava aos boxes constantemente; na terceira sessão ele foi aos pits quatro vezes, quarta sessão de treinos ele deu dezesseis voltas e foi aos pits cinco vezes, e na quinta sessão Felipe mal saiu dos boxes, e quando saiu foi justamente para entrar nos pits.
Os testes pra nós não correu como esperávamos, tivemos alguns problemas mecânicos que só conseguimos resolver para a última sessão de treinos, quando conseguimos salvar uma nona posição na tabela de tempos. Essa colocação poderia ser ainda melhor, mas em meu melhor trecho de treino a gasolina acabou... Em um balanço geral, foi bem legal ter o primeiro contato com a equipe e poder ajudar eles a resolver esse problema no motor, e apesar de tudo conseguimos achar um acerto que eu me senti confortável.
Esses testes são importantíssimos, pois promoveram o último contato de ambos com o carro antes de correr a quase duzentos por hora pelos muros e guard rails de St. Pete, na primeira rodada dupla do ano. eles vão ter mais uma hora de treinos livres



As atividades começam na QUINTA-FEIRA (afinal, vai ter mais cinco categorias lá). Os horários são:

Quinta, 18:45 às 19:15: Treino Livre;

Sexta, 8:30 às 9:00: Treino Livre;
Sexta, 11:10 às 11:35: Treino classificatório para as duas provas;
Sábado, 9:40 às 10:20: Corrida 1
Sábado, 15:00 às 15:40: Corrida 2.
Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário