USF2000: Nico Jamin e Cape Motorsports dominam, como quase sempre.

Nos dois dias de treinos, Nico Jamin e a Cape Motorsports dominaram, em dois dias muito parecidos com todos os outros fins de semana da categoria. Então, aproveitamos a oportunidade pra fazer aquela <3 maravilhosa análise do grid <3
Saudades 300 mil carros em Mid-Ohio...
Nos testes realizados na terça e quarta passados (30 e 31 de junho, já sei que estou atrasado), apenas doze carros estiveram presentes em Mid-Ohio, pois as provas finas de Keyvan Andres Soori (ArmsUp Motorsports) cairiam na mesma data dos treinos. Bem, pelo menos não foi na data de corrida...

No primeiro dia, duas sessões de manhã, onde a primeira o pessoal corria mais pra ajustar o carro e desenferrujar, com o pessoal andando mais forte só na segunda sessão. A terceira sessão, marcada para o meio da tarde, foi arruinada pela chuva e quase ninguém andou.
Jake Eidson foi um dos poucos que andou de verdade na primeira sessão e liderou-a, com as duas sessões seguintes lideradas por Nico Jamin.

Na quarta-feira todas as sessões não foram estragadas por chuva, e todos se animaram a ponto de aproveitar todas as três sessões de uma hora. Na terceira sessão que foram feitos muitos dos tempos mais rápidos, pois era a última oportunidade de se mostrar um pouco mais sem o risco de perder o carro para mais trabalho posterior.

As duas sessões da manhã foram lideradas por Aaron Telitz, mas a sessão final, com tempos mais rápidos, foi liderada pelo seu companheiro de equipe, Nico Jamin.

Passadas as formalidades, vamos ao que interessa e o motivo pelo qual disfarcei em reportar os treinos para: fazer uma análise e falar mal das equipes e pilotos.

Primeira coisa pra se falar mal é o baixo número de participantes. Apenas doze corajosos e seis equipes estiveram presentes na categoria que até ano passado reunia uma porrada de pessoas e equipes. Muitos reclamam do alto custo, já que a SCCA (outra empresa que chancela e apoia outras categorias) tem um campeonato parecido (a F2000) e que se mostrou mais barato e rentável de se participar do que a USF2000. Duas equipes (Afterburner Autosport e D2D Motorsports) e cinco pilotos não conseguem participar do campeonato todo, incluindo o Brasileiro Victor Franzoni que foi forçado a subir pra Pro Mazda para não parar de correr nos EUA.

Com isso, o campeonato vem sendo dominado pelos mesmos três carros: Jake Eidson, Nico Jamin e Aaron Telitz. Pelo menos dois dos três subiram ao pódio em todas as provas e, geralmente, só eram incomodados por Anthony Martin ou... Victor Franzoni.

Dessa vez, Nico Jamin foi quem liderou as principais sessões e foi o mais rápido. O francês
Nico Jamin indo pra lá do Deus me livre.
surpreendeu, quando saiu da falida Belardi e entrou na vencedora Cape Motorsports. Nesse ano, pode mostrar melhor o quão rápido ele é e o mais importante, o quão regularmente rápido ele é. Largou na pole em cinco das seis  qualificações disputadas, e como pole é meia vitória na USF2000, se sagrou vencedor em cinco provas e conseguiu pódio em todas as provas que completou.

Bem diferente de Aaron Telitz. O piloto se destacou na ArmsUp Motorsports no ano passado e foi o melhor novato do ano, apenas dez pontos a frente de Franzoni, conseguindo patrocínio suficiente pra entrar na equipe de Branco e Preto. Entretanto, a regularidade que o ajudou no ano passado não apareceu nesse ano, e o americano vem, de certa forma, decepcionando um pouco. Ele conseguiu uma vitória muito boa em Barber, com duas ultrapassagens incríveis em cima de Franzoni e Eidson, mas apenas figurou nas outras provas e está um bocado longe da briga do título.

Briga pelo título que Jake Eidson faz parte. O literalmente pobre piloto da Pabst vem carregando o carro nas costas. Se aproveitando da sua experiência e regular rapidez, ajudaram a equipe a se manter na briga pelo título até agora. Pessoalmente, torço pra ele, apesar de Nico Jamin ser muito bonito.

A John Cummiskey é uma das equipes que retorna ao grid, no início com dois bons pilotos que se aproveitaram do aleatória programa da Andersen Promotions que traz pilotos da F1600 AUASTRALIANA pros EUA. Vieram Jordan Lloyd e Anthony Martin, mas o apoio de Lloyd saiu após NOLA e ele voltou pra Austrália. Anthony Martin mostrou velocidade desde o começo, e com o bom trabalho da Cummiskey ele consegue ser a quarta força do campeonato, se aproveitando das escorregadas de um dos três primeiros (geralmente Telitz).

O pelotão do amor. Sem eles as corridas seriam horríveis.
Depois de Martin, vem uma massa amorfa de pilotos que sempre se misturam no grid. Os quatro pilotos da Team Pelfrey, o piloto solo da JDC, o piloto que sobrou da Pabst e Keyvan Soori sempre se misturam no grid, gerando grandes disputas do quinto ao décimo primeiro lugar e são o motivo de eu permanecer acordado nos 40 minutos que cada prova tem.  

Todos são o esteriótipo de garotos jovens que, quando veem a oportunidade que suas equipes médias oferecem e brigam por algo a mais. Nesse treino, como Martin teve problemas de suspensão e teve que trocá-las de terça pra quarta, ficou mais atrás e adentrou na massa amorfa de pilotos. Outro destaque é que nos pilotos que compõem o pelotão, cada um é de uma nacionalidade: Rickards é o único americano, Gabin é australiano, Agren (na verdade Ågren) é norueguesa, Yufeng é chinês e Soori é alemão.

Mais at´ras vem os pilotos da ArmsUp que sobraram. Hanratty é um americano que vem fazendo a transição direta dos Karts para os ovais, então apanhou mais que vaca na horta no início do campeonato, mas vem se recuperando um pouco e chegando perto dos outros competidores. Já James Dayson é o piloto da categoria tiozão velho expert que ficou pra trás quando todos os outros caíram fora, e seu trabalho é fechar o grid e livrar algum piloto novo dessa vergonha.

 Pois bem, agora só restam mais dois eventos e cinco provas pro fim do campeonato. Dias 31/7, 1º e 02/8 tem a rodada tripla de Mid-Ohio e dias 15 e 16/9 tem a rodada dupla final em Laguna seca.

No campeonato, o líder é Nico Jamin, com 292 pontos. Ele tem 16 pontos a mais que Jake Eidson, 57 pontos a mais que Aaron Telitz e 87 pontos a mais que Anthony Martin, que vê suas chances de ser campeão caírem para quase zero, bem como os pilotos que estão atrás dele no campeonato.

Será que Jamin continua dominando o campeonato e Jake Eidson amarga passar perto do título pela segunda vez seguida? Será que Eidson banca o Robin Hood e mostra que grana ainda não faz diferença nos campeonatos? Será que Telitz mostrará alguma coisa para eu comentar da próxima vez? Será que teremos mais carros nas próximas corridas? Veremos em agosto...
Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário