Indycar: Categoria pode receber motores de fábrica.

Tradução livre do texto de Marshall Pruett, para o racer.com.


Com Honda e Chevrolet dividindo o grid da Indycar Series, a RACER apurou que a categoria está aberta para receber outros motores V6 2,2L de turbo duplo, com o propólsito de aumentar sua base de fornecedora de motores.

O Ex-CEO Randy Barnard assinou em 2012 com Chevrolet, Honda e Lotus para o fornecimento de motores para aquela temporada, mas a produtora com base na Inglaterra saiu do campeonato no fim da temporada, e desde então a categoria vem procurando uma nova fornecedora de motores para participar do campeonato de construtores.

Derrick Walker, atual diretor de competições da Indycar.
"Atualmente, se você olhar para as corridas, os motores são fantásticos, ambas as fornecedoras de motores concordam que a categoria está indo pro lugar certo." disse Derrick Walker (à esquerda), presidente de competições da IndyCar, durante uma visita a Michigan, casa para os EUA indústria automobilística.  "É um motor menor e V6, mas ainda é muito potente e durável. Então, o que temos é muito bom.  No entanto, decidimos - e os fabricantes de motores apoiam essa decisão - se não houver uma outra fabricante de motores, qualquer motor que seja, e esse motor for um pouco diferente do usual, como iremos proceder?".

"A Indycar vem conversando com suas fabricantes e eles nos disseram que se a atual fórmula dos motores precisar ser alterada para se adequar a uma nova fabricante, que seja bem feito.  Senão que permaneçamos do jeito que está."

A terceira peça pode vir na forma de fabricantes de motores de fábrica, semelhantes aos encontrador na TUDOR, USCC e nas 24 horas de Le Mans.  Se Audi queria experimentar corridas de IndyCar ou se uma das marcas que competem na Global Rallycross queria também usar o seu potente motor turbo em corridas de monopostos, é provável IndyCar encontre uma maneira de fazê-lo funcionar - dentro do razoável.

"Um regulamento que promova a equivalência entre os motores novos e os atuais é fácil e não demanda tanto pensamento", Walker continuou.  "Também é verdade que quando você faz isso você muito raramente fazer todo mundo feliz. Chevy e Honda gastaram um monte de dinheiro, e no momento não correm com qualquer outra fórmula de equivalência no lugar.  Mas ao crédito dos fabricantes, Honda e Chevrolet, nas discussões que tivemos eles nos disseram que amam a concorrência,  e se há alguém lá fora que quiser competir em corridas de IndyCar e tem uma fórmula especial e equivalente de motor, um modelo que eles iriam considerar a participação, nos avisariam.

"Eles estão tão interessados em ter a concorrência de um motor diferente. Nós temos um mecanismo para falar com qualquer fabricante que esteja interessado em se juntar a nós.  Será possível alguém poder vir apenas com o motor que ele desenvolveu em sua própria garagem? Eu creio que não.  Mas se um fabricante adequado quer correr em nossa categoria, tem um motor - talvez um baseado em um projeto de carro de estrada - e quer para investir e promover a sua participação, sim, nossas portas estão abertas e estamos prontos para conversar."

O motor atual da Indycar correrá até 2016 - um período de cinco anos.  Com pelo menos um a dois anos necessários para projetar, construir e desenvolver um motor de 2.2 litros sob medida que esteja em conformidade com as normas vigentes da categoria, a disposição de Walker para permitir que os motores à de fábrica e outros motores de interesse da categoria também podem provocar uma possível mudança nas especificações dos futuros motores.

"Se  alguém for começar a construir um motor com nossas especificações, o fabricante provavelmente vai demorar uns dois anos para chegar lá, se ele realmente fizer tudo direito". Walker continuou. "Ele vai continuar a projetar e construir o seu motor, ele vai testá-lo. Então, se você olhar para algum período de desenvolvimento, para isso, provavelmente será de dois anos."

"Nós não queremos manter novos fabricantes longe, porque eles sabem que possivelmente vamos mudar o regulamento de motores em dois ou talvez três anos. Se alguém vier com nossa fórmula seria perfeito, mas também precisamos ser realistas, se um fabricante tem um motorque eles querem correr na nossa categoria, podemos fazê-lo funcionar de uma forma que é justo para aqueles que construíram os motores com nossas especificações, temos que ser flexíveis."

Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário