Frio e vento forte atrapalham o primeiro dia de testes

Montoya andou pela primeira vez no oval. (Créditos: Racer)

Frio, ventos fortes, clima desagradável entre alguns pilotos, primeiras impessões entre outros, conversas sobre pack racing e uma grande TV resumiram o primeiro dia de treinos no oval do Texas.

Depois de um final de semana complicado e tenso para algumas equipes e pilotos na California, todos chegam ao Texas um pouco mais calmos. Alguns, como Marco Andretti e Ed Carpenter, estão lá para também ajudar a Firestone a desenvolver o conjunto de pneu perfeito para a corrida de junho, já os outros estão lá apenas para testar os pacotes aerodinâmicos de suas equipes. Porém, o tempo frio e o vento forte não ajudaram muito nessa quarta-feira.

Texas, definitivamente, não é lugar para a vingança. Os pilotos sabem disso. Todos chegam mais calmos para treinar no oval que tem 24º de inclinação nas curvas, após um final de semana tenso para a maioria deles. "Você tem que seguir em frente", concorda Marco Andretti. "Isso é corrida. Sempre tem coisas que acontecem, mas você tem que se preocupar apenas naquilo que deve. Se começar a se preocupar nos outros, sua cabeça está aonde não deveria estar."

Kanaan também pensa o mesmo: "Erros acontecem. Na medida que você é a vítima, tem todo o direito de estar zangado, mas tem que pensar também que você não é perfeito. Você também pode cometer um erro", disse o brasileiro.

Pagenô e Power discutiram sobre o acidente depois da corrida.
(Créditos: NBCSN)
A treta que deu o que falar foi entre o australiano da Penske e o francês da Schmidt/Peterson. Os dois se tocaram na curva 6 e quem levou a pior foi Simon Pagenaud, que, depois da corrida, falou com Will Power em um tom nada agradável. "Temos que tentar esquecer e seguir em frente", disse o piloto da Penske.



"Eu falei com ele logo após a corrida e ele provavelmente ainda estava com raiva. Mas isso é corrida e pode acontecer, da mesma forma, em todo o ano." Power também brincou que já cancelou férias planejadas com seu ex-companheiro de equipe dos tempos da ChampCar. Já o francês prefere ficar na dele: "não precisamos mais falar sobre isso."

Voltando a falar sobre o tempo complicado no oval, Graham Rahal, que testou uma versão adaptada do ano passado, disse que esta vai ser uma corrida complicada. "Essa vai ser difícil. E está frio hoje, o que dá aos carros mais aderência. É ruim porque, quando voltarmos aqui em junho, estará mais quente e, tomara, menos ventoso como hoje. É um lugar difícil. Um dos mais complicados de certeza," explica Rahal.

Andretti explica que as opções para testar os conjuntos são mais ajustes do que grandes mudanças: "Nós estamos pilotando esses carros na margem irregular", diz o piloto. "Eu estava assistindo minha onboard do ano passado pela telemetria, para me preparar nesta semana, e nós tínhamos um carro vencedor. Ganhamos muito dinheiro aqui ano passado, e agora, o carro pareceu terrível."

Outro assunto que Marco comenta, é sobre a possível volta do pack racing: "Acho que podemos deixar essa para os fãs. Eu sei que eles querem esse estilo de corrida de volta, mas eu sei que todos nós pilotos não queremos. Precisamos de um equilíbrio entre o pack racing e algo que a gente não atinja apenas 300 quilômetros por hora no final de um stint. Em algum lugar nesse meio termo é onde estamos querendo ir. Não teremos uma mudança drástica, mas teremos uma mudança."

Pack Racing era a atração principal da corrida do Texas. (Créditos: Autoblog.com)

Power também deu a sua opinião, dizendo que as corridas ficarão mais emocionantes se continuarem afastando a ideia de pack racing: "Enquanto isso não vira pack racing, então está bom. Nesse estilo de corrida, você poderia ter sua avó na cola da sua traseira. Tira toda a parte do talento e cria uma situação perigosa. Se deixarem tudo na mão dos pilotos, e se os bons ficarem na frente e os incompetentes atrás, então, está tudo bem."

Além dos ajustes aerodinâmicos, os testes servem para que os novatos se familiarizem com a pista. O mais ilustre deles é o campeão da CART de 1999 e vencedor da Indy 500 de 2000, Juan Pablo Montoya. O colombiano da Penske diz que está se sentindo mais confortável num Indy, porém, o processo ainda é de adaptação.

"Ainda é difícil", admite o colombiano. "Em Sebring era tudo mais simples porque eu só fui lá com um Indy, mas aqui, e nos lugares em que eu já andei com um carro da Nascar, você fica acostumado a diminuir mais nas curvas, e depois de lembra que pode colocar mais o pé no acelerador. É difícil e divertido, porém, muito mais rápido."

Big Hoss TV é considerada a maior TV do mundo. (Créditos: MySA.com)
No final, os pilotos falaram da Big Hoss, considerada a maior TV do mundo, e de como ficaram desapontados pelo fato de ela não estar ligada durante a sessão de testes. "É legal de ver essa TV grande, mas provavelmente custa muito pra ligar ela. Alguém tem um controle remoto e daí podemos ligá-la?" Brinca Scott Dixon. Já Tony Kanaan preferiria testar a TV para outras finalidades: "tenho um vídeo-game no caminhão. Podemos ligar e ver o que acontece?"

Aqui temos um vídeo do primeiro dia:
https://www.youtube.com/watch?v=tnZ5qfxJBnI

Fontes: IndyCar.com / Racer / MotorSports Talk
Compartilhar no Google Plus

Sobre o Indy Center

Somos um site focado especialmente em Fórmula Indy no Brasil, trazendo as principais notícias da série, além de entrevistas, vídeos e análises das categorias de base.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário